Decorreu entre os dias 29 de julho e 5 de agosto, a 30.ª Edição da Atlantis Cup – Regata da Autonomia.

Composta por três etapas, a Regata centrou-se este ano na navegação entre as ilhas do Pico, Graciosa e Terceira, cumprindo assim o desafio lançado em 2013 pela Presidente da Assembleia Legislativa de ligar as nove ilhas do arquipélago açoriano.

Do porto da Madalena do Pico rumo a Angra do Heroísmo partiram 86 velejadores, num total de 22 embarcações. Por sua vez, a segunda etapa ligou o concelho da Praia da Vitória e a Praia da Graciosa, de onde partiram, posteriormente, rumo à última etapa, até à ilha do Faial, perfazendo um total de 198 milhas náuticas. 

Sagraram-se vencedores da Classe Open da 30ª Edição da Atlantis Cup – Regata da Autonomia as seguintes embarcações: em terceiro lugar, Allegro Vivace de Duarte Barcelos, em segundo lugar, Trovão de José Salgado e, em primeiro lugar, Algebar, de Nuno Maria Gameiro.

 

 

 

Na classe ORC, o terceiro lugar foi conquistado pela embarcação Celtic Dream de João Reis, tendo sido o segundo lugar atribuído a 4Xcape de Luis Quintino Duarte, e o primeiro lugar a Quinas de Marco Peixoto.

 

 

 

A Regata Atlantis Cup, como aludia a Presidente da Assembleia Legislativa, Ana Luís, aquando do jantar da entrega de prémios, assume, neste ano particular, um carácter distinto, tendo por isso “ um sabor especial – concluímos a última etapa de ligação das nove ilhas dos Açores cumprindo, assim, o desafio lançado em 2013, aquando dos 25 anos da Regata Atlantis Cup, fazendo com que esta que é a Regata da Autonomia, represente ainda melhor a nossa Autonomia em nove ilhas repartida e nove vezes unida no conceito de Região, tal como referi em 2016 ano em que se iniciou este novo figurino.”

Horta, 7 de agosto de 2018.

(versão p/impressão)