Decorreu entre os passados dias 30 de julho e 6 de agosto, a 29.ª Edição da Atlantis Cup – Regata da Autonomia.

Como habitualmente, a Regata Atlantis Cup dividiu-se em três etapas, tendo, este ano, o seu início no lado mais oriental do arquipélago açoriano, na ilha de São Miguel.

Do seu porto, em Ponta Delgada, partiram entusiasticamente 79 velejadores divididos por 21 embarcações inscritas, rumo à ilha vizinha de Santa Maria, onde se concluiu, assim, a 1.ª etapa. Na 2.ª etapa, os velejadores regressaram novamente a São Miguel, desta feita a Vila Franca do Campo, de onde partiram rumo à etapa final, e à última ilha que visitariam, a ilha do Faial.

Desta edição, sagraram-se vencedores da Classe Open as seguintes embarcações: em terceiro lugar, Exocet de Filipe Rodrigues, em segundo lugar, Piccolo de João Azevedo e, em primeiro lugar, Yermad de Vasco Moreira.

Na classe ORC, o terceiro lugar foi conquistado pela embarcação Carapau de António Cunha, tendo sido o segundo lugar atribuído a Wind I de Carlos Araújo, e o primeiro lugar a 4Xcape de Luís Quintino Duarte, o grande vencedor desta classe.

Como referia a Presidente da Assembleia Legislativa, Ana Luísa Luís, aquando do jantar da entrega de prémios desta Regata, a 29.ª Edição veio consolidar a alteração ao figurino habitual, ocorrido na edição de 2016 e que pretende, em três anos, “tocar em todas as ilhas dos Açores, do Corvo a Santa Maria, cumprindo, desta forma, o propósito do seu cognome”, referindo ainda que esta alteração também contribui para “o reforço da coesão entre todas as nossas ilhas”.

Horta, 9 de agosto de 2017.

(versão p/impressão nota de imprensa)

 

Discurso de Sua Excelência a Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores

 

Exmo. Senhor Secretário Regional Adjunto da Presidência para as Relações Externas, em representação de Sua Excelência o Presidente do Governo
Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal da Horta
Exmo. Senhor Deputado Regional
Exmo. Senhor Capitão do Porto da Horta, em representação do Senhor Comandante da Zona Marítima dos Açores
Exmos. Senhores Presidentes do Clube Naval da Horta e do Clube Naval de Vila Franca do Campo
Exmo. Senhor Vice Presidente da Associação Regional de Vela dos Açores
Exmo. Senhor Diretor da Prova
Caros Velejadores
Demais autoridades aqui presentes
Ilustres Convidados

Encerramos hoje a vigésima nona edição da Atlantis Cup.


E, tenho a certeza que hoje mesmo, começamos a pensar na 30.ª edição, aquela que fechará um ciclo na história desta Regata, a Regata da Autonomia, completando em 3 edições o toque em todas as ilhas dos Açores, do Corvo a Santa Maria, cumprindo, desta forma, o propósito do seu cognome unindo, pelo mar, as nove ilhas dos Açores.
Para levar a bom porto este feito, o caminho fez-se de trabalho árduo, de muito voluntariado, da boa vontade dos seus patrocinadores, mas, acima de tudo, daqueles que emprestam as cores das suas velas ao mar açoriano e abrilhantam, ano após ano, esta Regata regressando, sãos e salvos, a esta cidade mar.

É a vossa coragem, capacidade de superação, alegria e companheirismo que hoje também temos de reconhecer e agradecer pelo sucesso desta edição.

Uma palavra também de muito apreço ao Clube Naval da Horta, aos seus órgãos sociais e inúmeros colaboradores, e ao Diretor da Prova que passam, certamente, muitas horas sem dormir para tornar realidade um evento desta dimensão e que, desde a primeira hora, aceitaram o repto para a mudança do trajeto da prova e que souberam, junto dos parceiros, convencer da grandeza desta mudança, mais do que física, simbólica, como simbólico foi o trajeto, do ano passado, pelo Grupo Ocidental, fazendo parecer menos distante a distância que nos separa das ilhas das Flores e do Corvo.

E por isso também hoje gostaria de agradecer a todos os parceiros institucionais desta Regata, Câmaras Municipais e Clubes Navais, que viram nesta alteração não um problema mas antes uma mais valia contribuindo, assim, para o reforço da coesão entre todas as nossas ilhas e demonstrando que os consensos são possíveis mesmo quando, à partida, os obstáculos parecem inultrapassáveis e comprovando, com a sua recetividade, que este imenso mar que nos rodeia, algumas vezes forte e violento, mas bastas vezes sustento e embalador é elemento unificador e não de separação destas ilhas.

Dou os parabéns aos vencedores, cumprimento o sentido de sacrifício e espírito aventureiro de todos os participantes e enalteço o sentido de “família” que ano após ano é possível identificar entre todos aqueles que participam na Regata da Autonomia, seja em Mar, seja em Terra.

E por isso desejo que o sucesso desta edição se replique por todas as que ainda estão por vir.

Agora que é a hora do adeus espero que nos possamos encontrar de novo, no próximo ano, enchendo de cor o nosso mar e partilhando em terra o convívio que esta Regata proporciona.


A todos vós, desejo um bom regresso a casa e até para o ano!


A Presidente da Assembleia Legislativa
da Região Autónoma dos Açores

Ana Luísa Luís

 

(versão p/impressão discurso)